Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado
DestaquesOrientações aos Consumidores de Alimentos
Consultas Públicas - Consolidação das CP de nº 78 a 91
Destaques na Internet - Boletim Alimentos e Alimentação
Fortificação de Farinhas
Monitoramento da Qualidade de Alimentos
Palmito - Etiqueta de Advertência para o Consumo
 

 

Alimentos

 
Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos

VII - Lista dos Novos Ingredientes aprovados
Atualizado em maio/2009


Seguem os critérios para enquadramento de “Novos Ingredientes”:

1 - A segurança dos “novos ingredientes” deve ser comprovada com base na Resolução nº. 17/99, por meio do encaminhamento de documentação técnico-científica diretamente à Agência (Código do assunto: 404) e a Anvisa emitirá sua decisão ao interessado por meio de ofício.

2 - Os produtos pertencentes às categorias dispensadas da obrigatoriedade de registro, conforme previsto no Anexo I da Resolução RDC nº. 278/2005, e que utilizem em sua formulação “novos ingredientes” relacionados no quadro 1, estão dispensados da obrigatoriedade de registro e devem estar de acordo com a legislação vigente.

3 - Os alimentos que utilizarem em sua formulação qualquer um dos “novos ingredientes” relacionados no quadro 2 são considerados “novos alimentos” e devem ser registrados na categoria de “novos alimentos”, atendendo aos requisitos da Resolução nº. 16/99.

4 - Caso a empresa queira utilizar mais de um “novo ingrediente” num mesmo produto, deverá ser comprovada a segurança de uso da associação das substâncias na forma pretendida, conforme as diretrizes estabelecidas na Resolução nº. 17/99.

5 - Os produtos em forma de apresentação não convencional de alimento, tais como cápsulas, comprimidos, tabletes e outros, devem ser enquadrados na categoria de “novos alimentos” e necessitam de registro prévio à sua comercialização.

6 - Todos os produtos que utilizam “novos ingredientes”, tanto os do quadro 1 quanto do quadro 2, e que venham a utilizar alegação de propriedade funcional e ou de saúde, devem ser previamente registrados na categoria de “alimentos com alegação de propriedade funcional e ou de saúde”, atendendo às Resoluções nº. 18 e 19/99.

7 - Não são aprovadas alegações para ingredientes ou componentes dos alimentos, e sim para o produtos final que tenha esses ingredientes ou componentes. Embora as alegações aprovadas relacionem a propriedade funcional e ou de saúde a um nutriente ou não nutriente do alimento, conforme o item 3.3 da Resolução nº. 18/99, a eficácia da alegação no alimento deve ser avaliada caso a caso.

8 - Como referência de limites de resíduos de solventes presentes em novos alimentos/ingredientes serão utilizados os valores estabelecidos pelo JECFA para aditivos. No caso desse limite não estar estabelecido pelo JECFA, a empresa deve enviar documentação que comprove a segurança do resíduo de solvente presente no alimento/ingrediente.

Quadro 1

Lista de “novos ingredientes” que quando utilizados em produtos dispensados da obrigatoriedade de registro, estes produtos continuarão dispensados da obrigatoriedade.
Ingrediente:
Requisitos adicionais que devem ser atendidos nos produtos que utilizam o ingrediente:
Amido resistente com alto teor de amilose Declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra alimentar.
Beta-glucana de levedo de cerveja - Saccahromyces cerevisiae Rotulagem:Especificar a fonte da beta-glucana (Saccahromyces cerevisiae) junto à declaração da mesma na lista de ingredientes do rótulo.
Colágeno Hidrolisado/gelatina hidrolisada Sem requisito adicional.
D-Tagatose Rotulagem:
- incluir a seguinte informação: "Este produto pode ter efeito laxativo", para os alimentos cuja porção única de consumo resulte em ingestão de D-tagatose superior a 30 g.
Frutooligossacarídeo - FOS - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra.
Gelatina de peixe Rotulagem:
- incluir a frase de advertência em destaque e negrito: "Pessoas alérgicas a peixes e crustáceos devem evitar o consumo deste produto".
Goma acácia (Goma Arábica) - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra alimentar.
Goma guar parcialmente hidrolisada - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra alimentar.
Inulina - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra alimentar.
Inulo-oligossacarídeos - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra alimentar.
Isomalte, Xarope de - Este ingrediente não deve ser declarado como fibra alimentar.
Isomaltulose
(atualizado em out/2008)
Rotulagem:
- incluir a frase de advertência em destaque e negrito: "Diabéticos: a isomaltulose contém glicose e frutose”.
- declarar na tabela de informação nutricional o teor de açúcares abaixo da declaração de carboidratos.
Lactulose - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra.
Lecitina de soja Sem requisito adicional.
Lecitina de ovos Sem requisito adicional.
Polidextrose - declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar. Não é permitido especificá-la abaixo do valor de fibra.
- a recomendação diária de consumo do produto não deve resultar na ingestão de polidextrose acima de 90 g ou cuja porção única de consumo resulte em ingestão de polidextrose superior a 50g.
Proteína estruturadora do gelo
Sem requisito adicional.
Trealose Rotulagem:
- incluir a seguinte informação: "Este produto pode ter efeito laxativo", para os alimentos cuja porção única de consumo resulte em ingestão de trealose superior a 50 g.


Quadro 2

Lista de “novos ingredientes” que quando utilizados em produtos dispensados da obrigatoriedade de registro, estes produtos terão obrigatoriedade de registro.
Ingrediente:
Requisitos adicionais que devem ser atendidos e ou constar do Relatório Técnico-científico:
Dextrina resistente em Pó - apresentar laudo de análise comprovando que 40% ou mais do ingrediente não são digeríveis. Utilizar métodos normalizados ou oficiais de organizações técnicas reconhecidas na área.
- a recomendação diária de consumo do produto não deve resultar na ingestão única de dextrina resistente acima de 30 g.
- declarar na tabela de informação nutricional como fibra alimentar.
Espirulina - a recomendação diária de consumo do produto não deve resultar na ingestão de espirulina acima de 1,6 g.
- apresentar as especificações do ingrediente, incluindo identificação da espécie da alga e seu local de cultivo.
- apresentar laudo de análise, utilizando metodologia reconhecida, do teor dos contaminantes inorgânicos em ppm: mercúrio, chumbo, cádmio e arsênio. Utilizar como referência o Decreto nº. 55871/65, categoria “outros alimentos”.
- descrever os procedimentos para controle da qualidade do ingrediente.
Rotulagem:
- incluir as informações:
“Consumir preferencialmente sob orientação de médico ou nutricionista”
“Este produto não é indicado para gestantes, nutrizes e crianças.”
“O consumo deste produto deve ser acompanhado da ingestão de líquidos.”
Etil-ester de óleo de peixe refinado - informar a origem ou fonte de obtenção.
- apresentar laudo de análise, utilizando metodologia reconhecida, do teor dos contaminantes inorgânicos em ppm: mercúrio, chumbo, cádmio e arsênio. Utilizar como referência o Decreto nº. 55871/65, categoria “outros alimentos”.
Rotulagem:
- Incluir a frase de advertência em destaque e negrito: "Pessoas alérgicas a peixes e crustáceos devem evitar o consumo deste produto".
Fitoestanóis* - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo solventes e outros compostos utilizados.
- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) solvente(s) utilizado(s).
- apresentar laudo com o grau de pureza do produto e a caracterização dos fitoestanóis presentes.
Fitoesteróis* - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo solventes e outros compostos utilizados
.- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) solvente(s) utilizado(s).
- apresentar laudo com o grau de pureza do produto e a caracterização dos fitoesteróis presentes.
Psillium (Plantago ovatae) - apresentar as especificações do ingrediente, incluindo identificação da espécie e o seu local de cultivo.
- descrever os procedimentos utilizados para controle da qualidade do ingrediente.
Rotulagem:
- incluir as seguintes informações:
“Consumir preferencialmente sob orientação de médico ou nutricionista”
“Este produto não é indicado para gestantes, nutrizes e crianças.”
“O consumo deste produto deve ser acompanhado da ingestão de líquidos.”
Quitosana - informar a origem ou fonte de obtenção.
- apresentar laudo de análise, utilizando metodologia reconhecida, do teor dos contaminantes inorgânicos em ppm: Mercúrio, Chumbo, Cádmio e Arsênio. Utilizar como referência o Decreto nº. 55871/65, categoria “outros alimentos”.
- apresentar laudo analítico do teor de fibras do produto.
- apresentar laudo analítico do teor de cinzas da quitosana.
Rotulagem:
- indicar a porção diária.
- incluir as seguintes frases de advertência em destaque e negrito:
"Pessoas alérgicas a peixes e crustáceos devem evitar o consumo deste produto".
“O consumo deste produto deve ser acompanhado da ingestão de líquidos”.
alfa-ciclodextrina Sem requisito adicional.
Licopeno* - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo solventes e outros compostos utilizados.
- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) solvente(s) utilizado(s).
- apresentar laudo com o grau de pureza do produto.
Luteína* - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo solventes e outros compostos utilizados.
- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) solvente(s) utilizado(s).
- apresentar laudo com o grau de pureza do produto.
Zeaxantina* - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo solventes e outros compostos utilizados.
- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) solvente(s) utilizado(s).
- apresentar laudo com o grau de pureza do produto.
Olestra - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância.
- apresentar laudo do perfil lipídico com o grau de pureza do produto.
- o rótulo deve apresentar informação ao consumidor sobre os efeitos adversos do olestra quanto a possível ocorrência de cólicas intestinais e fezes amolecidas.
Diacilglicerol (DAG) obtido dos óleos de canola e ou de soja - apresentar o processo detalhado de obtenção e padronização da substância, incluindo enzimas e outros compostos utilizados.
- apresentar laudo com o teor do(s) resíduo(s) do(s) compostos(s) utilizado(s).
- apresentar laudo do perfil lipídico com o grau de pureza do produto.

* Essas substâncias devem ser utilizadas somente em produtos enquadrados nas categorias de alimentos com alegação de propriedade funcional e ou de saúde ou substâncias bioativas e probióticos isolados, conforme o caso.

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa