Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado
DestaquesOrientações aos Consumidores de Alimentos
Consultas Públicas - Consolidação das CP de nº 78 a 91
Destaques na Internet - Boletim Alimentos e Alimentação
Fortificação de Farinhas
Monitoramento da Qualidade de Alimentos
Palmito - Etiqueta de Advertência para o Consumo
 

 

Alimentos

 

Informes Técnicos

Informe Técnico nº 23, de 17 de abril de 2007

Esclarecimentos sobre as avaliações de segurança e eficácia do Ácido Linoléico Conjugado – CLA

I. Introdução

O ácido linoléico conjugado – CLA é um termo coletivo utilizado para descrever um grupo de isômeros geométricos e posicionais do ácido linoléico. Esses compostos podem ser produzidos naturalmente por hidrogenação e isomeração bacteriana no intestino de animais ruminantes ou podem ser produzidos quimicamente por meio da isomeração alcalina do ácido linoléico (Banni, 2002).

A alimentação dos seres humanos fornece pequenas quantidades de CLA oriundos da gordura do leite e de carnes de animais ruminantes, sendo que mais de 70% do CLA nesses alimentos é representado por apenas um isômero, o c9, t11-CLA (McLeod et al., 2004). Estimativas de ingestão de CLA por humanos variam de 140mg a 1g/dia, dependendo da metodologia utilizada e dos hábitos alimentares da população.

O CLA produzido quimicamente e disponível comercialmente em alguns países são preparações de misturas de isômeros, contendo geralmente 40% de c9, t11-CLA, 40% de t10, c12-CLA e 20% de outros isômeros (McLeod et al., 2004).

Para que as preparações comerciais contendo CLA possam ser comercializadas no Brasil como alimento é necessário que as empresas apresentem documentação científica comprovando a segurança de uso e eficácia das alegações dos produtos, uma vez que essas substâncias serão utilizadas em níveis superiores aos atualmente observados na alimentação da população brasileira.

Assim, os produtos contendo CLA podem ser avaliados na categoria de novos alimentos (Resolução nº. 16/1999) ou na categoria de alimentos com alegações de propriedade funcional (Resolução nº. 18/1999 e Resolução nº. 19/1999) e possuem obrigatoriedade de registro com base no disposto no Anexo II da Resolução RDC nº. 278/2005.

II. Objetivo

Comunicar os resultados das avaliações de segurança e eficácia do ácido linoléico conjugado – CLA realizadas até o momento pela Gerência de Produtos Especiais/ GPESP/GGALI da Anvisa.

III. Análise

A segurança e a eficácia do ácido linoléico conjugado isolado, nas formas líquidas ou em cápsulas, ou como ingrediente alimentar para ser adicionado em vários alimentos foram avaliadas em diversas ocasiões. Ao todo foram realizadas sete avaliações em um período de três anos. A primeira ocorreu em outubro de 2003 e a última foi concluída em outubro de 2006.

As principais questões e evidências científicas que levaram ao indeferimento de todas as solicitações realizadas até o momento estão sintetizadas a seguir:
- A ingestão de CLA recomendada pelas empresas supera em mais de vinte vezes as quantidades usualmente consumidas pela população, o que levanta preocupações quanto à segurança de uso desses produtos.

- Existem evidências científicas obtidas em animais de experimentação e em humanos demonstrando que a suplementação com CLA pode causar efeitos adversos.

- Estudos experimentais conduzidos em animais e estudos de revisão demonstraram que a suplementação de CLA pode levar ao aumento do fígado, esteatose hepática, hiperinsulinemia e diminuição dos níveis séricos de leptina (West et al., 1998; DeLany et al., 1999; West et al., 2000; Tsuboyama-Kasaoka et al., 2000; Kelly, 2001; Clement et al., 2002; Takahashi et al., 2002; Roche et al., 2002; Yamasaki et al., 2003; Poirier et al, 2005).

- Estudos randomizados duplo-cegos com homens obesos demonstraram que os grupos recebendo suplementação com o isômero t10, c12-CLA tiveram um aumento significativo da resistência à insulina, da glicemia, do estresse oxidativo e dos marcadores de inflamação e uma redução significativa dos níveis de HDL colesterol quando comparados com os grupos placebos (Riserus et al., 2002a; Riserus et al., 2002b).

- Indivíduos com diabetes tipo 2 suplementados com uma mistura de isômeros de CLA por oito semanas demonstraram uma diminuição dos níveis séricos de leptina (Belury et al., 2003).

- Riserus et al. (2004) demonstraram por meio de um estudo randomizado duplo-cego com homens obesos que a suplementação com o isômero c9, t11-CLA aumentou significativamente a resistência à insulina e a peroxidação lipídica quando comparado com o grupo placebo.

- Os mecanismos bioquímicos de ação dos diferentes isômeros e sua interação ainda não foram adequadamente elucidados e comprovados, sendo que a maioria desses dados é oriunda de estudos experimentais em camundongos e de estudos in vitro (Pariza, 2004; McLeod et al., 2004; Wang and Jones, 2004).

- As evidências existentes sugerem, por exemplo, que o CLA pode influenciar a apoptose e a diferenciação celular, alterar o balanço energético, inibir a lipogênese e aumentar a oxidação lipídica, entre outros (Pariza, 2004; McLeod et al., 2004; Wang and Jones, 2004).

- Os dados científicos sobre a eficácia do CLA em humanos também são controversos. Terpstra (2004) destaca que os estudos realizados em humanos sobre os efeitos da suplementação de CLA na perda de gordura corporal tiveram efeito consideravelmente menor do que os obtidos em estudos experimentais com ratos.

IV. Considerações Finais

Assim, as evidências científicas avaliadas até o momento não comprovam a segurança de uso e a eficácia do ácido linoléico conjugado isolado ou como ingrediente alimentar.

Os efeitos adversos observados em muitos estudos precisam ser melhores esclarecidos e entendidos. Também são necessários mais estudos bem controlados que elucidem adequadamente os mecanismos de ação dos diferentes isômeros e sua interação em seres humanos e que comprovem sua eficácia.

Portanto, com o intuito de proteger e promover a saúde da população, o ácido linoléico conjugado isolado ou como ingrediente alimentar para ser adicionado em vários alimentos não devem ser comercializados no Brasil como alimento até que os requisitos legais que exigem a comprovação de sua segurança de uso, mecanismos de ação e eficácia sejam atendidos.

VI. Referências

Banni S. Conjugated linoleic acid metabolism. Curr Opin Lipidol. 13:261–6, 2002.

Belury, M.A.; Mahon, A.; Banni, S. The conjugated linoleic acid (CLA) isomer, t10c12-CLA, is inversely associated with changes in body weight and serum leptin in subjects with type 2 diabetes mellitus. Journal of Nutrition.133:257S–60S, 2003.

Clement, L.; Poirier, H.; Niot, I. et al. Dietary trans-10, cis-12 conjugated linoleic acid induces hyperinsulinemia and fatty liver in the mouse. J. Lipid Res. 43:1400–9, 2002.

DeLany, J.P.; Blohm, F.; Truett, A. A.; Scimeca, J.; West, D.B. Conjugated linoleic acid rapidly reduces body fat content in mice without affecting energy intake. American Journal of Physiology. 276:R1172–9, 1999.

Ha, Y. L.; Grimm, N. K.; Pariza M. W. Anticarcinogens from fried ground beef: heat altered derivatives of linoleic acid. Carcinogenesis. 8:1881–7, 1987.

Kelly, G. S. Conjugated linoleic acid: a review. Altern Med Rev. 6:367–82, 2001.

McLeod, R. S.; LeBlanc, A. M.; Langille, M. A.; Mitchell, P. L. and Currie, D. L. Conjugated linoleic acids, atherosclerosis, and hepatic very-low-density lipoprotein metabolism. American Journal of Clinical Nutrition. 79 (suppl):1169S–74S, 2004.

Pariza, M. W.; Hargraves, W. A. A beef-derived mutagenesis modulator inhibits initiation of mouse epidermal tumors by 7,12-dimethylbenz [a]anthracene. Carcinogenesis. 6:591–3, 1985.

Pariza M. W. Perspective on the safety and effectiveness of conjugated linoleic acid. American Journal of Clinical Nutrition. 79 (suppl):1132S– 6S, 2004.

Poirier, H.; Niot, I.; Clément, L.; Guerre-Millo, M.; Besnard, P. Development of conjugated linoleic acid (CLA)-mediated lipoatrophic syndrome in the mouse. Biochimie, 87: 73-79, 2005.
Riserus, U.; Arner, P.; Brismar, K.; Vessby, B. Treatment with dietary trans10cis12 conjugated linoleic acid causes isomer-specific insulin resistance in obese men with the metabolic syndrome. Diabetes Care. 25:1516–21, 2002a.

Riserus, U.; Basu, S.; Jovinge, S.; Fredrikson, G. N.; Arnlov, J.; Vessby, B. Supplementation with conjugated linoleic acid causes isomer-dependent oxidative stress and elevated C-reactive protein: a potential link to fatty acid-induced insulin resistance. Circulation.106:1925–9, 2002b.

Riserus, U.; Vessby, B.; Arnlov, J. and Basu, S. Effects of cis-9,tran-11 conjugated linoleic acid supplementation on insulin sensitivity, lipid peroxidation, and proinflammatory markers in obese men. American Journal of Clinical Nutrition. 80:279–83, 2004.

Roche, H.M.; Noone, E.; Sewter, C. et al. Isomer-dependent metabolic effects of conjugated linoleic acid: insights from molecular markers sterol regulatory element-binding protein-1c and LXRalpha. Diabetes. 51:2037–44, 2002.

Takahashi, Y.; Kushiro, M.; Shinohara, K.; Ide, T. Dietary conjugated linoleic acid reduces body fat mass and affects gene expression of proteins regulating energy metabolism in mice. Comp Biochem Physiol B Biochem Mol Biol.133:395–404, 2002.

Terpstra, A. H. M. Effect of conjugated linoleic acid on body composition and plasma lipids in humans: an overview of the literature. American Journal of Clinical Nutrition. 79: 352–61, 2004.

Tsuboyama-Kasaoka, N.; Takahashi, M.; Tanemura, K. et al. Conjugated linoleic acid supplementation reduces adipose tissue by apoptosis and develops lipodystrophy in mice. Diabetes. 49:1534–42; 2000.

Wang, Y. and Jones, P. J. H. Dietary conjugated linoleic acid and body composition. American Journal of Clinical Nutrition. 79 (suppl):1153S– 8S, 2004.
West, D.B.; Blohm, F.; Truett, A. A.; DeLany, J.P.; Conjugated linoleic acid persistently increases total energy expenditure in AKR/J mice without increasing uncoupling protein gene expression. Journal of Nutrition. 130:2471–7, 2000.

West, D.B.; DeLany, J.P.; Camet, P.M.; Blohm, F.; Truett, A. A.; Scimeca, J. Effects of conjugated linoleic acid on body fat and energy metabolism in the mouse. American Journal of Physiology. 275:R667–72, 1998.

Yamasaki, M.; Ikeda, A.; Oji, M. et al. Modulation of body fat and serum leptin levels by dietary conjugated linoleic acid in Sprague-Dawley rats fed various fat-level diets. Nutrition.19:30–5, 2003.

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa