Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado
DestaquesOrientações aos Consumidores de Alimentos
Consultas Públicas - Consolidação das CP de nº 78 a 91
Destaques na Internet - Boletim Alimentos e Alimentação
Fortificação de Farinhas
Monitoramento da Qualidade de Alimentos
Palmito - Etiqueta de Advertência para o Consumo
 

 

Alimentos

 

Informes Técnicos

Informe Técnico nº. 31, de 30 de julho de 2007

Assunto: Esclarecimentos sobre a utilização de climatizadores (sistema de aspersão) em áreas de manipulação, armazenamento e comercialização de alimentos.

1. Os climatizadores são equipamentos utilizados para resfriamento de ambientes através de sistema de aspersão de neblina, diferentemente dos ventiladores e aparelhos de ar condicionado. Os ventiladores propiciam conforto térmico através da movimentação do ar quente, já os aparelhos de ar condicionado, captam , filtram e resfriam o ar, ao mesmo tempo em que promovem uma desumidificação (perda de umidade) do ambiente.

2. A utilização destes equipamentos não está prevista na legislação sanitária federal de alimentos. A Portaria SVS/MS nº. 326, de 30 de julho de 1997, ao dispor sobre a ventilação dos estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos, cita que “o estabelecimento deve dispor de uma ventilação adequada de tal forma a evitar o calor excessivo, a condensação de vapor, o acúmulo de poeira, com a finalidade de eliminar o ar contaminado”. Disposições semelhantes podem ser observadas na Resolução - RDC Anvisa nº. 275, de 21 de outubro de 2002, em seu anexo II, quando determina que seja verificada a existência de “ventilação e circulação de ar capazes de garantir o conforto térmico e o ambiente livre de fungos, gases, fumaça, pós, partículas em suspensão e condensação de vapores sem causar danos à produção” e na Resolução - RDC Anvisa nº. 216, de 15 de setembro de 2004, que dispõe sobre regulamento Técnico de Boas Práticas para serviços de alimentação, e determina que “a ventilação deve garantir a renovação do ar e a manutenção do ambiente livre de fungos, gases, fumaça, pós, partículas em suspensão, condensação de vapores dentre outros que possam comprometer a qualidade higiênico-sanitária do alimento”.

3. Corroborando com a legislação sanitária, ao discorrer sobre o controle da umidade e condensação de vapores, a norma Codex - Recommended International Code of Practice General Principles of Food Hygiene-CAC/RCP 1-1969, Rev. 4-20031, cita que a ventilação mecânica ou natural deve ser fornecida, quando necessário, visando, entre outros, o controle da umidade para garantir a segurança do alimento.

4. Pelas especificações deste tipo de equipamento, de acordo com a altura de instalação, regulação da ventilação e regulação da entrada de água, as partículas de água podem apresentar tamanho e áreas de alcance diferenciadas, podendo inclusive molhar os objetos que se encontram em sua área de abrangência. Alguns fabricantes prometem, além da umidificação de ambientes e produtos, a melhoria da qualidade do ar pelo assentamento de partículas de pó em suspensão. Conclui-se, portanto, que nos ambientes em que este tipo de equipamento é utilizado, pode ocorrer excesso de umidade e condensação de vapores.

5. Frente a real possibilidade de que o emprego desta tecnologia aumenta a umidade e a condensação de vapores no ambiente, potencializando o risco sanitário e por não haver previsão na legislação sanitária federal de alimentos, os climatizadores não devem ser utilizados em ambientes de manipulação, armazenamento e comercialização de alimentos. Para a adequada ventilação desses locais devem ser obedecidas as determinações estabelecidas nas legislações anteriormente citadas.

Referências Bibliográficas

- BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária -Portaria 326 , de 30 de julho de 1997. Aprova o Regulamento Técnico sobre "Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos". Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 01 de agosto de 1997.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução- RDC Anvisa nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 out. 2002. Seção 1.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária -RDC-216 , de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 16 de setembro de 2004.

- CODEX ALIMENTARIUS. CAC/RCP 1-1969, Rev. 4, 2003. Recommended International Code of Practice General Principles of Food Hygiene. - Codex

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa