Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado
DestaquesCertificados e Certidões de Livre Comercialização
Dentes Sensíveis
Escova Progressiva
Guia de Controle de Qualidade de Produtos Cosméticos
Guia de Segurança de Produtos Cosméticos
INCI - Nomenclatura de Cosméticos
Informes e Notícias
Material de Divulgação
Proteção Solar
Séries Temáticas - Guia de Estabilidade

 

Cosméticos

 

Câmara Técnica de Cosméticos - CATEC

Parecer Técnico nº 5, de 23 de agosto de 2005

Assunto: Avaliação toxicológica do nicotinato de metila

Considerando que o nicotinato de metila é um éster do álcool metílico e do ácido nicotínico, com característica polar, muito solúvel em água e álcool etílico (1, 6,10);

Considerando que o nicotinato de metila possui ação vasodilatadora 5 minutos após a aplicação, atingindo valor máximo entre 15 e 30 minutos, mantendo-se por pelo menos 60 minutos e diminuindo em até 2 horas. Este processo promove aumento da circulação cutânea com extravasamento de sangue nos capilares periféricos localizados na derme e junção derme-epiderme, manifestado pelo efeito rubefaciente imediato (eritema cutâneo) e o calor é dissipado por irradiação e condução; não induz resposta imunológica e nem formação de edema (3, 4, 6, 8, 10 a 15);

Considerando que o mecanismo de ação vasodilatador do nicotinato de metila envolve ação direta na musculatura lisa e/ou o envolvimento de um mediador, induzindo resposta inflamatória com elevação do nível de prostaglandina D2 (PGD2) em cerca de 58 a 122 vezes, variando a resposta nas diferentes partes do corpo (8,10,12-14);

Considerando que a ação do nicotinato de metila na pele humana se manifesta visualmente em valores de concentração reduzidos, de acordo com o veículo, sendo: 1 mM (0,0137%) em tampão fosfato pH 6,8 e existindo dependência entre o efeito e tempo de aplicação; 0,2 a 1 mM (0,0027 a 0,0137%) na mistura álcool isopropílico e propilenoglicol (3:1) e 10 mM (0,137%) em solução aquosa. Existe dependência do efeito do nicotinato de metila no intervalo de concentração de 0,1 a 1 mM (12-13) ;

Considerando que pelas suas propriedades, o nicotinato de metila é empregado nas formulações de uso tópico como promotor de penetração e permeação cutânea de substâncias ativas incorporadas, sendo que a velocidade de fluxo não é afetada, aparentemente, pelo tipo de veículo ou excipiente, sendo próxima para valores de concentração entre 0,25 e 1%, embora com maior intensidade de reação para a última. A velocidade de fluxo é influenciada também pelo período do dia em que ocorrer a administração, sendo máxima durante o período da manhã e mínimo à noite; pela utilização do ultrassom, que eleva a capacidade de penetração para substâncias ativas de natureza polar; e pela raça, sendo crescente na seqüência negros, asiáticos, caucasianos, hispânicos (3 a 10, 13 a 15);

Considerando que até o momento, não existem relatos na literatura científica de estudos envolvendo a segurança de uso e a eficácia do nicotinato de metila com finalidades cosméticas.

Considerando o exposto, a Câmara Técnica de Cosméticos recomenda e a Gerência-Geral de Cosméticos determina:
1- Que os produtos cosméticos contendo nicotinato de metila sejam classificados como Grau 2, devendo ser apresentado à Autoridade Sanitária, para fins de registro: testes de segurança (irritabilidade primária, acumulada e sensibilização) do produto acabado.

Referências bibliográficas

1. International Cosmetic Ingredient Dictionary and Handbook, 8. ed., v. I, p. 854, 2000.

2. REINBERG A.E., SOUDANT E., KOULBANIS C., BAZIN R., NICOLAI A., MECHKOURI M., TOUITOU Y., Circadian dosing time dependency in the forearm skin penetration of Methyl and Hexyl Nicotinate. Life Science, v. 57, n.16, p.1507 - 1513, 1995.

3. BOELSMA E., ANDERSON C., KARLSSON A. M. J., PONEC M., Microdialysis Technique as a Method to Study the Percutaneous Penetration of Methyl Nicotinate Through Excised Human Skin, Reconstructed Epidermis, and Human Skin In Vivo. Pharmaceutical Research, v. 17, n. 2, p. 141 - 147, 2000.

4. C. LAFFORGUE, I. EYNARD, F. FALSON, A.C. WATKINSON, J. HADGRAFT, Percutaneous absorption of methyl nicotinate. International Journal of Pharmaceutics, v. 121, p. 89 - 93, 1995.

5. D. WOOLFSON, R.K. MALCOLM, K.CAMPBELL, D.S. JONES, J.A. RUSSELL, Rheological, mechanical and membrane penetration properties of novel dual drug systems for percutaneous delivery. Journal of Controlled Release. v. 67, n. 2 - 3, p. 395 - 408, 2000.

6. CASELLI A,. HANANE T., JANE B., CARTER S., KHAODHIAR L., VEVES A., Topical methyl nicotinate – induced skin vasodilation in diabetic neuropathy. Journal of Diabetes and its Complications, v. 17, n. 4, p. 205 - 210, 2003.

7. Methyl Nicotinate, CTFA On-Line. Disponível no site: http://www.ctfa-online.org/ctfa, acesso em 10/05/2000.

8. V. KOIVUKANGAS, A. OIKARINEN, P.I. SALMELAT, A. LAHTI, Microcirculatory response of skin to benzoic acid and methyl nicotinate in patients with diabetes. Diabetic Medicine, v. 17, p. 130 - 133, 2000.

9. MULLER B., KASPER M., SURBER C., IMANIDIS G., Permeation, metabolism and site of action concentration of nicotinic acid derivatives in human skin Correlation with topical pharmacological effect. European Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 20, p.181 - 195, 2003.

10. ZHAI H., EBEL J. P., CHATTERJEE R., STONE K.J., GARTSTEIN V., JUHLIN K. D., PELOSI A., MAIBACH H.I., Hydration vs. skin permeability to nicotinates in man. Skin Research and Technology, v.8, p.13 - 18, 2002.

11. REALDON N., RAGAZZI E., MORPURGO M., RAGAZZI E., Influence of processing conditions in the manufacture of O/W creams. Science Direct – Il Farmaco, v. 57, n. 5, p. 349 - 353, 2002.

12. MCELNAY J.C., BENSON H. A. E., HARLAND R., HADGRAFT J., Phonophoresis of Methyl Nicotinate: A Preliminary Study to Elucidate the Mechanism of Action. Pharmaceutical Research, v. 10, n.12, p.1726 - 1731, 1993.

13. FOUNTAIN R.B., BAKER B.S., HADGRAFT J.W., SARKANY I., The rate of absorption and duration of action of four different solutions of Methyl Nicotinate. British Journal of Dermatology, v. 81, p. 202 - 206, 1969.

14. LEOPOLD C. S., MAIBACH H.I., Effect of lipophilic vehicles on in vivo skin penetration of methyl nicotinate in different races. International Journal of Pharmaceutics, v. 139, p. 161 - 167, 1996.

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa