Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado
DestaquesCadastre-se nos Boletins Eletrônicos da Anvisa
Em Questão - O Governo Informa (site da Presidência da República)
Licitação
 

 

Anvisa Divulga - Notícias da Anvisa: Diário e Mensal

Brasília, 30 de agosto de 2005 - 16h50
Biossegurança exige a prevenção de riscos

A questão da biossegurança não se limita mais ao controle dos trabalhos e pesquisas com microorganismos, feitas em laboratórios. Essa foi uma das conclusões apresentadas durante o Seminário Internacional de Biossegurança em Saúde, realizado em São Paulo.

De acordo com o pesquisador da Fundação Oswaldo

Seminário Internacional de Biossegurança em Saúde
Cruz (Fiocruz), Silvio Valle, a maior preocupação nos dias atuais é com a liberação de produtos perigosos no meio-ambiente. Entre eles estão os resíduos de serviços de saúde, resíduos de indústrias químicas e produtos transgênicos que ainda não foram perfeitamente testados.

A diretora do Programa de Infecções Hospitalares do Centers for Disease Control and Prevention – órgão norte-americano responsável pelo controle de doenças – chamou a atenção para a necessidade de se ter uma consciência exata das catástrofes que podem surgir a partir de problemas de biossegurança. Citou como exemplo o caso da SARS (Síndrome Aguda Respiratória) na China e em Hong Kong, onde a falta de controle adequado provocou o contágio de um grande número de profissionais de saúde.

A gerente de Infra-estrutura em Serviços de Saúde da Anvisa, Regina Barcellos, destacou a necessidade de tratar corretamente o lixo gerado por instituições como hospitais e laboratórios. “Muitas vezes o risco não é imediato, nem é percebido facilmente trazendo problemas futuros”, enfatizou. Dados da Organização Mundial da Saúde apontam, por exemplo, que nos acidentes com agulhas usadas a chance de se contrair hepatite B é de 30%.

O risco sanitário nos serviços de saúde não está associado somente ao lixo. Paulo Starling, também da Fiocruz, ressaltou a relação entre más condições de trabalho e a redução dos critérios de biossegurança no exercício cotidiano. Segundo ele, o assédio ou violência moral no trabalho é um dos fatores que podem elevar o risco de acidentes em serviços de saúde.

O Seminário Internacional de Biossegurança termina nesta terça-feira (30/08). O encontro reúne pesquisadores e especialistas de diversas áreas como pesquisa com transgênicos, controle de epidemias, tratamento de resíduos perigosos e segurança de laboratórios.

Veja também:
Brasil discute biossegurança em saúde

Informação: Assessoria de Imprensa da Anvisa

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa