Acesse o Portal  do Ministério da Saúde
Acesse o Portal do Governo Brasileiro
 
Fale Conosco
Mapa do Site
Sites de Interesse
Perguntas Freqüentes
Escolha seu Perfil
Espaço Cidadão Profissional de Saúde Setor Regulado

AFE E AE para Farmácias e Drogarias

SINEB - Sistema de Estudos de Equivalência Farmacêutica e Bioequivalência
Bioequivalência - Cadastro de Metodologias Validadas
Como Fazer Contratos de Terceirização de Medicamentos
Denominações Comuns Brasileitas - DCB
Farmacopéia Brasileira
Informes Técnicos
Medicamento Fracionado
Medicamentos Genéricos
Medicamentos de Referência
Propaganda
Política para a Regulamentação de Medicamentos
Recomendações sobre Pós-Registro de Medicamentos
RENAME - Relação Nacional de Medicamentos Essenciais
Seminário Setor Regulado - Perguntas e Respostas
 

 

Medicamentos

 
Pesquisa Clínica

Considerações e definições para Pesquisa Clínica

Estudo Clínico

Definição:
“Qualquer investigação em seres humanos, objetivando descobrir ou verificar os efeitos farmacodinâmicos, farmacológicos, clínicos e/ou outros efeitos de produto(s) e/ou identificar reações adversas ao produto(s) em investigação, com o objetivo de averiguar sua segurança e/ou eficácia.” (EMEA, 1997)

Fases do estudo clínico

Fase Pré-clínica:
Aplicação de nova molécula em animais, após identificada em experimentações in vitro como tendo potencial terapêutico

  • Informações preliminares sobre atividade farmacológica e segurança
  • Mais de 90% das substâncias estudadas nesta fase, são eliminadas: não demonstram suficiente atividade farmacológica/terapêutica ou demasiadamente tóxicas em humanos
  • Atividade farmacológica específica e perfil de toxicidade aceitável = passam à fase seguinte

    Fase l
    Avaliação inicial em humanos (20 a 100)
    Tolerância em voluntários saudáveis:
  • Maior dose tolerável
  • Menor dose efetiva
  • Relação dose/efeito
  • Duração do efeito
  • Efeitos colaterais

Farmacocinética no ser humano (metabolismo e biodisponibilidade)

Fase I
É o primeiro estudo em seres humanos em pequenos grupos de pessoas voluntárias, em geral sadias de um novo princípio ativo, ou nova formulação pesquisado geralmente em pessoas voluntárias. Estas pesquisas se propõem estabelecer uma evolução preliminar da segurança e do perfil farmacocinético e quando possível, um perfil farmacodinâmico.



Fase ll (Estudo Terapêutico Piloto)
Primeiros estudos controlados em pacientes, para demonstrar efetividade potencial da medicação (100 a 200)

  • Indicação da eficácia
  • Confirmação da segurança
  • Biodisponibilidade e bioequivalência de diferentes formulações

(Estudo Terapêutico Piloto)

Os objetivos do Estudo Terapêutico Piloto visam demonstrar a atividade e estabelecer a segurança a curto prazo do princípio ativo, em pacientes afetados por uma determinada enfermidade ou condição patológica. As pesquisas realizam-se em um número limitado (pequeno) de pessoas e frequentemente são seguidas de um estudo de administração. Deve ser possível, também, estabelecer-se as relações dose-resposta, com o objetivo de obter sólidos antecedentes para a descrição de estudos terapêuticos ampliados.

Fase lll
Estudos internacionais, de larga escala, em múltiplos centros, com diferentes populações de pacientes para demonstrar eficácia e segurança (população mínima aprox. 800)

  • Conhecimento do produto em doenças de expansão
  • Estabelecimento do perfil terapêutico:
    • Indicações
    • Dose e via de administração
    • Contra-indicações
    • Efeitos colaterais
    • Medidas de precaução
  • Demonstração de vantagem terapêutica (ex: comparação com competidores)
  • Farmacoeconomia e qualidade de vida
  • Estratégia de publicação e comunicação
    (ex: congressos e workshops)

Fase III

Estudo Terapêutico Ampliado

São estudos realizados em grandes e variados grupos de pacientes, com o objetivo de determinar:

  • o resultado do risco/benefício a curto e longo prazos das formulações do princípio ativo.
  • de maneira global (geral) o valor terapêutico relativo.

Exploram-se nesta fase o tipo e perfil das reações adversas mais frequentes, assim como características especiais do medicamento e/ou especialidade medicinal, por exemplo: interações clinicamente relevantes, principais fatores modificatórios do efeito tais como idade etc.


Fase IV
Após aprovação para comercialização do produto

* Detectar eventos adversos pouco freqüentes ou não esperadas (vigilância pós-comercialização)
* Estudos de suporte ao marketing
* Estudos adicionais comparativos com produtos competidores
* Novas formulações (palatabilidade, facilidade de ingestão)

Fase IV

São pesquisas realizadas depois de comercializado o produto e/ou especialidade medicinal.

Estas pesquisas são executadas com base nas características com que foi autorizado o medicamento e/ou especialidade medicinal. Geralmente são estudos de vigilância pós-comercialização, para estabelecer o valor terapêutico, o surgimento de novas reações adversas e/ou confirmação da freqüência de surgimento das já conhecidas, e as estratégias de tratamento.

Nas pesquisas de fase IV devem-se seguir as mesmas normas éticas e científicas aplicadas às pesquisas de fases anteriores.


Notas
a) Os estudos epidemiológicos, observacionais, em que não há intervenção no momento não necessitam do comunicado especial emitido pela Anvisa.

b) Caso um medicamento e/ou especialidade medicinal tenha sido comercializado, mas necessite demonstrar sua segurança e eficácia, ou explorar novas indicações, novos métodos de administração ou novas combinações (associações), etc; esses ensaios clínicos devem ser estudos controlados fase III.

 
Endereços Importantes
  Voltar Subir Imprimir  
Copyright 2003 - Anvisa