Módulo 1
Introdução
Propriedades
  Farmacocinética
Tratamento
Comunitárias
Antimicrobianos - Base Teóricas e Uso Clínico

III. Tratamento das infecções comunitárias e relacionadas à assistência à saúde diante da resistência microbiana

1. Comunitárias - infecções adquiridas na comunidade
1.4.
Cavidade oral – principais infecções e diagnósticos diferenciais

A - Lesões ulceradas

Úlcera herpética
A infecção oral primária por herpes (gengivoestomatite herpética primária) é uma infecção primária causada pelo vírus herpes simples. Ela pode causar lesões dolorosas de desenvolvimento rápido nas gengivas e em outras partes da boca. O herpes secundário (herpes labial recidivante) é uma reativação local do vírus que produz uma úlcera nos lábios.

É comum um lactente contrair o vírus do herpes simples de um adulto com herpes labial. A infecção primária geralmente ocorre em lactentes e crianças (herpes primário), causa inflamação generalizada das gengivas e uma dor generalizada na boca, podendo apresentar febre, linfoadenomegalia cervical e mal-estar generalizado. Os indivíduos que não apresentam herpes oral na infância mas contraem a infecção na vida adulta, geralmente apresentam sintomas mais graves.

Os episódios recidivantes comumente causam o herpes labial e, em geral, são desencadeados por queimaduras solares, viroses sistêmicas ou por lesões bucais, por um tratamento odontológico. Um ou dois dias antes do surgimento de uma vesícula, o indivíduo pode sentir um formigamento ou um incômodo (pródromo) no local onde irá ocorrer a erupção.
As feridas da boca começam como pequenas vesículas que rapidamente coalescem e formam uma úlcera vermelha e dolorosa.
Diagnóstico diferencial deve ser feito com úlceras aftosas, úlceras orais que podem surgir no eritema multiforme, as quais, em geral, não requerem tratamento antimicrobiano específico.

Tratamento da úlcera herpética
O objetivo do tratamento do herpes primário é o alívio da dor. O tratamento do herpes secundário é mais eficaz quando iniciado antes do surgimento das lesões, isto é, assim que o indivíduo apresenta o pródromo do episódio.
A utilização tópica de aciclovir reduz a gravidade de um episódio e acelera o desaparecimento das lesões. Lesões mais graves devem ser tratadas com aciclovir ou valaciclovir ou famciclovir, por via oral, associado ou não ao tratamento tópico.

Úlcera sifilítica (Lues primária)
No primeiro estágio da sífilis, o indivíduo pode apresentar uma lesão branca e indolor (cancro) na boca ou nos lábios. Geralmente, a lesão desaparece após algumas semanas. Após 1 a 4 meses, o indivíduo pode apresentar um sinal tardio da sífilis não tratada, uma lesão branca (placa mucosa), no lábio ou, mais freqüentemente, no interior da boca.

Tratamento da úlcera sifilítica
Penicilina benzatina 1.200.000 UI intramuscular.

« voltar 1 | 2 | 3 | 4 » seguir
                                      ATMracional, 2008