Módulo 1
Introdução
Propriedades
  Farmacocinética
Tratamento
Comunitárias
Antimicrobianos - Base Teóricas e Uso Clínico

IV. Profilaxia antimicrobiana

1. Cirurgia - profilaxia antimicrobiana
1.3. Indicação da profilaxia e escolha do antimicrobiano

No momento da indicação da profilaxia, diretrizes
devem ser utilizadas. No entanto, é importante lembrar que, apesar da presença de princípios teóricos sólidos, somente estudos clínicos metodologicamente bem conduzidos possuem a capacidade de garantir escolhas seguras e bem respaldadas.
No momento da confecção de rotinas, para um serviço ou instituição, a revisão bibliográfica cuidadosa deve ser realizada.

Indicação da profilaxia baseada no potencial de contaminação
Tradicionalmente, a profilaxia tem sido indicada de acordo com a classificação do potencial de contaminação da ferida operatória. A principal indicação estaria no grupo das operações potencialmente contaminadas ou contaminadas, no entanto, esta abordagem apresenta algumas defasagens:

  • há indicação de profilaxia em vários procedimentos limpos;
  • esta indicação se baseia somente no tipo de operação, não levando em conta o risco cirúrgico do paciente.

Por estas razões, genericamente, prefere-se hoje em dia uma abordagem que reflita o tipo de cirurgia e as condições clínicas do pacientes. A profilaxia pode ser indicada nas seguintes condições:

  • o risco de desenvolvimento de ISC é alto, como nas cirurgias de cólon;
  • o risco de desenvolvimento de ISC é baixo, mas se a infecção ocorre, suas conseqüências são potencialmente desastrosas (como no caso de implante de próteses e cirurgia cardíaca);
  • embora o risco de ISC seja baixo, o paciente tem uma grande propensão à infecção (os critérios para se determinar a propensão não estão bem definidos, embora possam ser citados o diabetes descompensado, o uso prolongado de corticosteróides, a desnutrição ou obesidade extremos).

 

« voltar 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6| 7 | 8 » seguir
                                      ATMracional, 2008