Módulo 1
Introdução
Propriedades
  Farmacocinética
Tratamento
Comunitárias
Antimicrobianos - Base Teóricas e Uso Clínico

III. Tratamento das infecções comunitárias e relacionadas à assistência à saúde diante da resistência microbiana

1. Comunitárias - infecções adquiridas na comunidade
1.2. Pele e anexos

Tratamento
A maioria dos furúnculos é tratada satisfatoriamente pela aplicação de calor úmido, que promove localização e drenagem do processo.
O carbúnculo ou o furúnculo em que o paciente evolui para toxemia ou celulite deve ser tratado em regime hospitalar, com antimicrobiano parenteral. A droga de escolha é oxacilina (50 a 200 mg/Kg/dia para crianças e 4 a 12 g/dia para adultos, dividida em quatro ou seis doses).
No adulto alérgico a penicilina, clindamicina (crianças: 30 mg/kg/dia e adultos: 1200 a 2400 mg/dia, dividida em quatro doses) ou vancomicina (crianças: 40 mg/kg/dia e adultos: 2 g/dia, dividida em duas ou quatro doses) ou a teicoplanina (crianças: 10 mg/kg/dia, nas primeiras três aplicações, seguido de 6 a 12 mg/kg/dia  e adultos: 400 a 800 mg/dia) são alternativas.

Reincidência e profilaxia
O acompanhamento de pacientes com furunculose de repetição é problemático. Esta doença não parece estar associada a propriedades específicas dos estafilococos ou deficiências imunológicas sistêmicas. A profilaxia de episódios reincidentes envolve várias medidas:

  • administração de antimicrobiano: Tratamento com antimicrobiano sistêmico, como descrito acima, deveria ser administrado para o episódio agudo. A profilaxia com antimicrobiano ou tratamentos prolongados (maiores que 10 dias) não é recomendada;
  • cuidados com a pele: A higiene diária da pele com água e sabão é muito importante. Banhos com solução degermante de clorexidina, pode ser útil para diminuir a colonização da pele pelo S. aureus;
  • cuidados com as roupas: As roupas devem ser lavadas e passadas. As roupas de baixo (íntimas) devem ser trocadas diariamente;
  • cuidados com as lesões: As lesões devem ser cobertas com gaze evitando a auto-inoculação;
  • medidas adicionais: Diversas medidas têm sido utilizadas para reduzir a colonização nasal por S. aureus. Estudos demonstram que indivíduos que apresentam colonização nasal por S. aureus têm maior incidência de infecções de repetição por este agente. A aplicação intranasal de mupirocim a 2% (não disponível no Brasil), duas vezes por dia, por cinco dias, reduz a colonização nasal pelo S. aureus. Diversas vacinas já foram utilizadas para reduzir as infecções de repetição, porém até o momento não se mostraram efetivas.

 

« voltar 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 » seguir
                                      ATMracional, 2008